Nunca pensei que isso fosse acontecer comigo!

Eu peguei a Florzinha com 40 dias, era da raça persa e a cor dela era creme, lembro da primeira vez que peguei ela no colo como se fosse hoje, a coisinha mais linda do mundo, aquela carinha achatada, fiquei apaixonada! morávamos em uma casa com quintal nos fundos mas ela quase não saia ficava mais dentro de casa, era medrosa, se escondia quando chegava gente estranha em casa , castramos ela antes do primeiro cio e como a maioria dos gatinhos passava o dia dormindo e a noite ficava esperta e gostava de brincar, nessa época meus filhos eram pequenos e ela dormia na cama com eles.
 
Foi quando resolvemos fazer uma reforma dentro de casa que tudo aconteceu, a casa passava o dia com pedreiros trabalhando, fazendo barulho, aquela quebradeira e o comportamento dela começou a mudar, nessa época ela tinha uns 4 aninhos, deixávamos ela em um local da casa que eles não iam mas o barulho , as vozes deixavam ela apavorada e em um desses dias ela fez uma coisa que nunca tinha feito antes, subiu no telhado de uma edicula que tinha no fundo da casa. juro eu nem imaginava que ela conseguiria subir ali, ela nunca tinha feito aquilo antes, deu o que fazer para pega-la, só convencemos ela a descer com peito de peru que era o que ela mais gostava , mas de repente o mesmo aconteceu no dia seguinte, e não conseguimos prender ela dentro de casa , foi so abrir a porta do quintal e ela saiu como um raio e subiu no telhado pra nosso desespero…e la fomos nós convence-la a descer com o peito de peru, mas como ela sempre foi muito medrosa e caseira jamais achei que ela fosse ter coragem de ir para o vizinho ou para a rua, até que no terceiro dia minha funcionaria ligou e avisou que ela tinha escapado a tarde e subido no telhado da casa e nada fazia ela descer quando voltei para casa não vi mais ela, chamamos, procuramos falamos com os vizinhos, saímos para procurar pelo bairro e nada…aquela seria a primeira noite que ela dormiria fora de casa e foi uma noite que mal consegui pregar os olhos arrependida de não ter tirado ela daquele ambiente antes e pensei amanha quando ela voltar vou deixa-la na clinica até acabar essa reforma…
 
No dia seguinte acordei cedinho abri a porta do quintal com a esperança dela estar lá e nada, foi quando resolvi olhar na rua e vi aquela cena horrível, ela estava no meio da rua , toda ensanguentada e morta, tinha sido ATROPELADA e eu nem escutei nada… Foi terrível não sabia o que fazia peguei ela levei para dentro e tive que esconde-la, não queria que meus filhos vissem ela daquele jeito, eram pequenos, não sabia o que falar, foi muito marcante e triste para mim…
 
Depois desse dia me dei conta que eu tinha uma segurança dentro de mim de que ela nunca sairia por que desde bebe foi criada dentro de casa , por que tinha sido castrada antes do primeiro cio e essa segurança me fez perde-la, o medo que ela passou fez que por instinto ela se afastasse daquele local e sinceramente eu nunca me perdoei por isso! mas depois disso passei a orientar melhor os tutores que tem gatinhos a prevenir esse tipo de situação!
 
Essa história é muito triste pra mim, mas foi uma lição que aprendi com a dor!